Martin Posts

África será o palco e a principal vitima da guerra comercial entre a China e os EUA.

A guerra comercial entre os EUA e China, não será travada em Washington ou em Pequim. Ela será travada em África, onde a China tem sido um investidor ativo, com projectos  estimados em cerca 150 mil milhões de dólares suplantado assim a influencia política e econômica  dos Estados Unidos no continente.

Alguns países africanos já pagam o preço de uma guerra que, aparentava, não ter nada a ver com o continente.

Recentemente o governo dos EUA suspendeu o status de isenção de impostos dos produtos têxteis do Ruanda sob o Acordo de Crescimento e Oportunidades para a África (Agoa).

A economia sul-africana tem estado a sentir o impacto  da guerra comercial EUA-China de igual modo. As tarifas impostas ao aço e ao alumínio pelos EUA afetaram diretamente a indústria de aço e alumínio da África do Sul. Mesmo com esse  impacto tão direto, o governo da África do Sul ainda acha que o seu país se tornou “dano colateral na guerra comercial das principais economias globais”.

Em 2018, a África do Sul exportou para os EUA US $ 375 milhões em alumínio e US $ 950 milhões de aço. Quase 8 000 postos de trabalho na indústria do aço e do alumínio estão em risco, a menos que sejam encontrados novos mercados.

Os principais mercados em toda a África também estão a sofrer com essa guerra.

Nos mercados de ações, o impacto esta a ser amplamente sentido na Nigéria, no Quênia e na África do Sul. O motivo é muito simples. O comércio chinês com a África aumentou 10 vezes desde o ano 2000 e fez da China o principal  parceiro comercial do continente.

Impacto sobre a indústria africana de matérias primas

Se os produtos fabricados na China forem afetados pelas tarifas dos EUA, os países que sobrevivem com o fornecimento de materiais primas, como é o caso dos países africanos, não poderão fazê-lo, impendido  assim o crescimento económico dos respectivos países.

Dadas essas circunstâncias, que lições podemos tirar dessa experiência?

África fornece as matérias-primas, a China e os seus vizinhos asiáticos transforma as mesmas (beneficiamento), e o mundo ocidental, incluindo os EUA, distribuem e consomem os produtos acabados.

O problema reside agora no facto de que o distribuidor e o consumidor – os EUA, que são mais poderosos e influentes, também querem processar ou transformar.

Os EUA estão cientes de que este é o estágio em que a riqueza é gerada, do que o fornecimento de matérias-primas, a distribuição e o consumo de produtos acabados.

Por estar  na extremidade inferior da cadeia de suprimentos, o continente africano não tem poder de influenciar em seu beneficio as políticas económicas internacionais. Sem industria transformadora,  e sem um mercado consumidor, somos levados a concluir  que as matérias-primas africanas nada representam, para influencia, ou criar um impacto no curso da economia mundial.

Talvez, este seja um alerta, e o incentivo para as nações africanas começarem a investir na na industria transformadora, tento como foco os seus mercados internos.

Já temos o que a China ofereceu ao mundo na década de 1970 – isso é mão-de-obra barata e possuímos a vantagem adicional de matérias-primas acessíveis.

O continente só necessita da vontade dos politicos, para alavancar a economia local.

Fechar Menu
Right Menu Icon